top of page

Aline Nobre: três poemas de temor



https://www.instagram.com/p/CHK6XGMB433/
Colagem de Aline Nobre

memórias


memória visual

o vizinho entrando correndo pela sala da casa


memória auditiva

gritos de desespero ecoando por toda a rua


memória olfativa

o café não coado que estava no fogo e que ninguém bebeu


memória tátil

o peso das lágrimas escorrendo pelo rosto e molhando a camiseta


memória gustativa

o gosto de sangue na boca como se fosse eu com duas balas no peito



é assim a memória

de perder um dos seus

pelas mãos avassaladoras da violência e do ódio




perigo


quando estou com a mulher que amo

atravesso ruas como imigrantes clandestinos atravessam fronteiras

vou à exposições de museus como quem planeja roubar um portinari legítimo e estar prestes a ser descoberto

frequento bares e me sinto como um contrabandista com mil olhos de desconfiança ao meu redor

eu a beijo em público e me sinto como quem pela primeira vez no mundo fez topless na avenida e a polícia está prestes a chegar


quando estou com a mulher que amo

tudo me parece estranhamente bom e perigoso


porque estou com a mulher que amo

e porque sou mulher também





papel social


as vezes bate um medo danado


de se ser quem se é

e ser mal interpretada


de dizer o que se quer

e ser mal interpretada


de andar como se almeja

e ser mal interpretada


de beijar a quem deseja

e ser mal interpretada


de gozar sem um parceiro

e ser mal interpretada


de sorrir o dia inteiro

e ser mal interpretada


de correr sem direção

e ser mal interpretada


de voltar na contra-mão

e ser mal interpretada


de dormir completa e nua

e ser mal interpretada


de ser minha e não ser tua

e ser mal interpretada


as vezes bate um medo danado

de ter nascido mulher





_

Aline Silva Nobre é Cearense, Engenheira Sanitarista e Ambiental e Poeta. Desenvolve trabalhos na área de Meio Ambiente em municípios do Sertão Central Cearense. É autora do livro Mulher-Contestada (Urutau, 2021) que aborda a temática do ser mulher e amar mulheres. Publicou textos em antologias, blogs e jornais. A maior parte de suas obras foi editada de forma independente por meio de zines. Tem se aventurado nas colagens manuais e digitais e descobrindo uma forma além-palavra de se expressar. E, dizem as outras, sorri enquanto dorme.

177 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Texto que faz parte do livro Um chamado telepático de socorro, de Fernanda Laguna Para que o amor e a política funcionem é preciso ser valente Buenos Aires, 4 de setembro de 2010 Olá, eu sei que não n

Post: Blog2_Post
bottom of page