top of page

Três poemas de Ana Carolina Francisco



Pátria amada, idolatrada, Salve, Salve!


Abaixamos a palmeira imperial

O vento que ecoa de longe

Arrepia pele nua

Som de canhões abafados cortam canto de sabiás

Céu límpido, sem festejos

O choro da censura chega

E os dias dão ré...

Sinto na pele seu roçar

Áspero, o gigante há tempo se deitou

Com ordem esconderam sua bandeira

Progressivamente o empurram para trás

Dele, o amor foi arrancado

E as armas que para ele primeiro apontaram

Estavam todas em nome do bom Senhor

Mas o filho com a pele da noite

Permanece sob a dor

Em pilhas eles sobem ao céu

Jorrando o sangue que rega essa terra

"Tudo cresce aqui", bradam os estrangeiros

E eu vejo em papel ele chegar

Com coxinhas preparadas em cada bolso

Juntos dominaram o outro

Carregados pelo mesmo vento distante

Fincam aqui a bandeira

De tanto vermelho sangue e madeira

Chamam o lugar de Brasil

E o povo de João soberano ao lado dele clama

Ao armar-se contra irmãos

Bandido bom é bandido morto

Joias brasileiras se vão em caravelas estrangeiras

Somente o vira-lata aqui foi deixado

Abanando o rabo, ele late: Diga ao povo que fico.





Descobertas


Desejo-te tanto e subitamente

Que me assustei ao perceber

Ter eleito teu corpo morada


Abraço e me deito em tuas camadas

Acalentada por juventude

Firme e majestosa


Teu peito não me oferece muito

Sem minhas guerras, borboletas e estrelas

Há apenas o constante pulsar

E a força de um coração


Prefiro-te ao mundo





Espere


Apenas alguns elementos nos separam

O ar espesso que sai em suspiros de saudade

E que ocupa tanto espaço entre nós

A terra que enraíza pés

E que impossibilita nosso encontro

A água que mesmo em abundância

Deixa nossos lábios sedentos

O fogo é o único que jamais atrapalha

Sendo chama na ardência de dois corpos

Que cismam em se incendiar





_

Ana Carolina Francisco é formada em jornalismo pela PUC-RIO e apaixonada por brincar com palavras. Publica poemas autorais em sua conta do Instagram (@_entre_palavras). Já teve poemas publicados na revista Mallamargens, selo off-flip, na revista estadunidense Envelope, e no blog da Macabéa, na edição da escritora Susana Fuentes.


221 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Carta para Dilma

Texto que faz parte do livro Um chamado telepático de socorro, de Fernanda Laguna Para que o amor e a política funcionem é preciso ser valente Buenos Aires, 4 de setembro de 2010 Olá, eu sei que não n

Post: Blog2_Post
bottom of page