top of page

"Álbum": quatro poemas de Ana Elisa Ribeiro


© freestock.org

BURKEANA aprendemos a ler fotografias com um historiador: os detalhes dos cenários das mãos das poses dos ângulos e dos objetos nas paredes ou que repousavam em mesas, menos ou mais adornadas nas fotos da família os uniformes eram novos e as joias reluziam até em preto e branco já o outro ramo dos parentes guardava uma pequena caixa de fotos que quase não nos mostravam para que não gastássemos — com os os olhos e as mãos sujas — aquelas relíquias


MENOS DUAS


sete irmãos e irmãs quase abraçados tímidos no ato da fotografia meio posados meio não muito limpos em suas roupas bem passadas cinco moças dois rapagões orgulhosos de suas calças suspensas sete irmãos e irmãs na fotografia em cima do piano as duas irmãs mortas em acidentes — continuam limpas e desafiadoras sobre o negro piano fechado os demais irreversivelmente envelhecem


FOTONOVELA Os homens pegam peso, Carregam fardos e empunham armas que dão coices; os homens levantam caixas, fazem o transporte dos seixos; os homens se unem e puxam carretas emperradas; os homens movem mesmo montanhas; os homens usam cordas e laços e arrastam pedras barcos metais madeiras e máquinas; os homens carregam fardos; mas só as mulheres carregam o filho morto no ventre por mais de uma semana.

MAIS FÁCIL OU FOTOGRAFIA DIGITAL rasgávamos fotografias para esquecer coisas pessoas eventos hoje, tudo pode nascer esquecido


_

Ana Elisa Ribeiro é professora titular do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, onde atua no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens e no Bacharelado em Letras (Tecnologias da Edição). É doutora em Estudos Linguísticos pela UFMG. Coordena o grupo de estudos Mulheres na Edição e é membro do grupo de trabalho A Mulher na Literatura da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL). Entre outros, são de sua autoria os livros de poesia Álbum (Relicário, 2018) e Dicionário de imprecisões (Leme/Impressões de Minas, 2020), além dos ensaios Livro: edição e tecnologias no século XXI (Moinhos/Contafios, 2018), Escrever, hoje (Parábola Editorial, 2018) e O ar de uma teimosia (Macabéa Edições, 2020).

165 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Carta para Dilma

Texto que faz parte do livro Um chamado telepático de socorro, de Fernanda Laguna Para que o amor e a política funcionem é preciso ser valente Buenos Aires, 4 de setembro de 2010 Olá, eu sei que não n

Post: Blog2_Post
bottom of page