Marlene – crônica

Marlene baba na almofada puída do três meia três. O ônibus tropeça, ainda estamos na passarela dezoito.